Coréia do Sul · My bubble! · Resenhas

6 razões para você largar tudo e começar a assistir Rebel.

4992_rebelthiefofpeople_nowplay_small1

VOLTOU A LOUCA DOS SAGEUK!

Esse final de semana peguei para por em dias alguns dramas que estavam atrasados, e foi assim que surgiu uma nova paixão que, definitivamente, ganhou o meu coração e minha ansiedade. Rebel: Thief Who Stole The People é um drama que esta indo ao ar atualmente pela MBC, todas as segundas e terças-feiras, e que está programado para ter 30 episódios. Eu já estou totalmente atualizada, e resolvi trazer para vocês alguns motivos para que eu possa dividir esse vício com vocês. (E também comentar e conversar sobre isso, né?!)

*TEM ALGUNS SPOILERS*


  • Sinopse: O drama conta a vida e história de Hong Gil Dong, que é o primeiro revolucionário e ativista da era Joseon.
  • Elenco: Yoon Gyun Sang como Hong Gil Dong, Chae Soo Bin como Ga Ryung, Lee Ha Nui como Jang Nok Su e Kim Ji Suk como Lee Yoong/Rei Yeonsan Gun.

6. A visão totalmente diferente da vida na época de Joseon

Manxs, vocês sabem que eu sou a louca dos dramas históricos e sempre assisto a vários.. Não importa o país de origem ou a época, eu simplesmente amo eles! Mas Rebel é totalmente diferente de tudo que já assisti: como ele começa nos apresentando a sociedade e o sistema que nela é estabelecido é tanto triste como fascinante. A maioria dos dramas do gênero sageuk não mostram de maneira tão “verdadeira” como realmente funcionava a relação nobre-servo durante esse período, eles tentam mascará-las para parecer algo menos abusivo e, digamos, mais humano.

O drama começa nos apresentando a família de Gil Dong e, principalmente, contando a história do pai dele Ah Mo Gae. Ele e sua esposa, Geum Ok, servem a família Jo a décadas, e desde que casaram desejam trabalhar na fazenda em vez de trabalhar na mansão principal. Durante os primeiros episódios é possível conhecer o quão difícil podia ser, realmente, a vida de um servo durante essa época… Tipo quando Gil Dong nasce e Geum Ok é obrigada a primeiro amamentar o filho de sua “dona” em vez de seu próprio, ou quando Gil Hyun começa a aprender a ler e o “dono” dele o castiga por saber mais que o herdeiro dele. Ou o pior caso: o fato de o “dono” ter o direito de fazer o que quiser com servo, já que eles são considerados propriedades.. E mesmo quando livres os “nobres” tem direito de fazer o que quiserem com as pessoas “comuns”, pois qualquer disputa entre nobre e comuns tem como resultado a mesma coisa: o nobre sempre ganha. O sistema escravista é sempre algo terrível de se estudar e de se assistir, porém confesso que essa foi a primeira vez que me interessei tanto por um drama mais “real” dessa realidade durante esse período.

 5. O poder sobrenatural de Gil Dong

O que mais me chama atenção nesse drama é o sutil desenvolvimento do enredo: você conhece a história de Gil Dong desde quando ele nasceu e mesmo assim é impossível ficar entediado. Ele passa por diversas situações durante a vida e conhece vários tipos de pessoas e suas histórias, e é por aí que ele começa a questionar determinadas situações que são impostas a ele e aos outros, e o verdadeiro significado entre o certo e o errado.

Um dos focos da história é a força sobrenatural de Gil Dong e o fato disso o tornar, como eles chamam no drama, “The Might Child”. Normalmente essas crianças deveriam nascer como nobres, já que poderiam usar o seus poderes para servir o reino e ao rei… E quando elas nascem servas, como Gil Dong, o destino delas é a morte: já que elas “não tem” a capacidade de usar o poder delas para o bem (que no caso seria o rei/reino). O fato dele sobreviver e usar os poderes dele para proteger os injustiçados (aka a população) é simplesmente maravilhoso.

4. O(s) melhor(es) tipo(s) de família(s)

Depois de ter sua família despedaçada por conta da ambição de seu lorde, Ah Mo Gae acaba perdendo a esposa e decide, enfim, tornar o resto da sua família livre da vida de servos-escravos. Ela conta com a ajuda de 7 amigos, bem “suspeitos”, para conseguir juntar a riqueza suficiente e para poder trazer seus filhos para um lugar mais seguro. Eles conseguem, através do contrabando, subir na vida e ser respeitados na cidade onde moram. Com o tempo os laços que antes eram somente de amizade, evoluem e eles acabam se tornando uma bela e grande família. PORÉM, pelo fato de terem nascido em uma classe mais baixa, eles ainda são obrigados a ter que obedecer aos pedidos e exigências dos nobres da época: o que leva a várias tragédias e a separação deles. MAAAS, eles sempre conseguem se reunir e sempre estão uns ao lado dos outros. Adoro o fato deles se considerarem irmãos e de que esse laço vai muito além de laços sanguíneos.

3. Yoon Gyun Sang como Gil Dong

Meu primeiro drama com ele foi Faith, porém ele simplesmente roubou meu coração em Six Flying Dragons. (Tive que, inclusive, pedir desculpas para o meu marido e rei dos sageuk Yoo Ah In ♥). Porém, a maioria do mundo sabe o quão grande foi a minha decepção ano passado quando ele aceitou o papel em Doctors. Além de ser um drama com a PSH, ele ainda não era o real protagonista 😐 Porém, preciso confessar que ele ficou super gostoso naquela roupa de médico.!

Amei o anúncio de que ele, FINALMENTE, faria o seu primeiro protagonista: Gil Dong. Ele fica perfeito em roupas de época, então o visual não era algo que me preocupava. Me preocupou um pouco a escolha da protagonista e o fato de ser uma história que já foi contada várias vezes. PORÉM, eu fui surpreendida com um Gil Dong totalmente diferente e MUITO, MAS MUITO MESMO, PERFEITO! Nunca duvidei da capacidade e das habilidades de YGS como ator, mas se ele tinha meu coração antes… Agora ele o tem por completo. Gil Dong cresce conhecendo o mundo e por isso encontra vários tipos de pessoas durante a sua vida, depois de ver várias coisas ele começa a questionar determinadas “regras” que impregnam e dominam aquela sociedade. Uma das cenas que mais destruiu a minha mente foi quando ele foi o protagonista mais pró-feminismo (ou feminista) de toda a minha vida dramática, eis a cena:

Ele fica o tempo todo a incentivando a deixar de lado as “obrigações” que ela supostamente tem por ser mulher, e a buscar/fazer algo que ela realmente deseje. Além do fato dele tratar com muito respeito e entender as “acompanhantes”. AMEI DEMAIS ISSO ♥! Tudo isso misturado ao fato dele ser um dos maiores idealistas que já assisti, pois a maioria das histórias sobre Gil Dong o mostra como um ladrão que roubava dos ricos para dar aos pobres (estilo Robin Hood), enquanto nesta versão ele mais ajuda os necessitados a conseguirem a justiça que o sistema não pode dar a eles. Sério, gente, é impossível começar a assistir esse drama sem se apaixonar muito por Gil Dong e pela atuação do YGS.

2. Todo o poder por trás das personagens femininas.

Uma das coisas que mais me atrai em dramas históricos é a, quase sempre, presença de personagens femininos que desafiam esteriótipos. Rebel é um drama que vem, definitivamente, bugando a minha cabeça nesse sentido, pois até mesmo das vilãs eu comecei a gostar (pelo fato delas lutarem pelo que acreditam, apesar dessa crença ser meio deturpada).

tumblr_onl6qnuib91ugbqo0o4_250Ga Ryeong, personagem da fofa Chae Soo Bin, é a nossa protagonista principal. Ela nasceu em uma família muito pobre e tinha muitos irmãos, o pai a acabou vendendo para um prostíbulo onde ela cresceu aprendendo a servir e ajudando a cuidar das outras meninas. Ela era considerada feia e por isso acreditava que o seu lugar era na cozinha. Ela acaba mudando seus pensamentos e atitudes depois de conhecer Gil Dong que a incentiva a fazer o que ela quer, ela é bem incisiva e decidida sobre buscar o seu amor e sua felicidade… Além de desejar se tornar uma escritora de novelas.

tumblr_oldaxazm0v1uukbkvo1_500Nok Su, personagem da belíssima Lee Ha Nui, é uma musicista e cantora da época. Porém, ser uma “artista” também significava ser acompanhante naquele tempo. “Herdando” a mesma profissão da mãe, ela acabou se tornando uma pessoa que não acredita em afeições e que prefere viver sem elas. Ela deseja uma vida melhor e que possa, enfim, ser feliz. Ela acaba entrando no palácio para entreter o rei e ocupando um dos lugares mais influentes do palácio.

Outros personagens que merecem destaque são: a irmã de Gil Dong Uh Ri Ni, a vilã e ‘ex-dona’ da família dele Madame Jo, a amiga de Nok Su Wol Ha Mae e a mãe de Gil Dong Geum Ok.

1. Os diálogos e a cinematografia.

Desde os primeiros episódios fiquei surpreendida pelos diálogos desse drama, é difícil encontrar um episódio que não questione determinado pensamento da época (que pode valer até hoje). Eles falam de diferenças entre as classes sociais, sobre o papel da mulher na sociedade, corrupção no governo, injustiças, entre outras coisas. Todos esses diálogos são rodeados por um ambiente simplesmente perfeito, pois todas as cenas de Rebel são extremamente bonitas de se assistir. POR FAVOR MANXS, SE JOGUEM NESSE DRAMA!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s